Carrinho de Compras

Seu carrinho de compras está vazio.Adicionar produto
Seu carrinho de compras está vazio.

Área de Cliente

Newsletter

Email:


Registo/Login



Enviar por E-mail

Estudo revela que o Cigarro Electrónico não prejudica a função cardíaca

Os cigaJornal Público: Estudo sobre cigarros electrónicos e coraçãorros electrónicos é uma das opções mais procuradas pelos fumadores que pretendem deixar de fumar cigarros convencionais. Segundo um  estudo grego revelado este sábado, o cigarro electrónico não têm efeitos adversos na função cardíaca.

Um médico e um dos investigadores do centro de Cirurgia Cardíaca Onassis de Atenas, revela que os cigarros electrónicos não são um hábito saudável, mas são uma alternativa mais segura do que os cigarros convencionais.

Diz ainda: “Considerando os riscos extremos que estão associados ao consumo de cigarros, os dados atualmente disponíveis sugerem que os cigarros electrónicos são muito menos nocivos e que substituir tabaco por cigarros electrónicos pode ser benéfico para a saúde”, observou ainda, no congresso anual da Sociedade Europeia de Cardiologia, em Munique.

 

Nesse estudo, foi observada a função cardíaca de 20 fumadores jovens onde se verificou que aqueles que utilizavam única e exclusivamente o cigarro electrónico apenas tinham um ligeiro aumento de pressão.

De acordo com a Reuters este terá sido o primeiro estudo clínico concebido mundialmente, focado nos efeitos cardíacos do cigarro electrónico. Outro estudo grego menos aprofundado, apresentado no início do ano, concluiu que os cigarros electrónicos têm pouco impacto na função pulmunar.

Konstantinos Farsalinos mencionou porém que mais estudos serão necessários para chegar a uma conclusão sobre os efeitos do cigarro electrónico a longo prazo. Obviamente, o cigarro electrónico tem a vantagem de não ter milhares de outros produtos químicos”, como o cigarro tradicional, sublinhou, por seu lado, Russell Luepker, da Universidade norte-americana de Minnesota.

Os cigarros electrónicos foram inventados na China e desde 2003 que passaram a ser utilizados por milhões de pessoas em todo o Mundo.

Fonte: Jornal Público em 25 de Agosto de 2012